Olha quem te olha

Fala preparada para o 2° Acampamento: Ligados em Cristo, da Obra Aliança com Maria de Bela Cruz – Ce, acontecido em Preá, Cruz - Ce


I. APRESENTAÇÃO: Pessoal e, se viável, dos acampantes
Música para introdução/reflexão:
1. “Olha quem te olha” – Com. Rainha da Paz ou
2. “O amado” – Walmir Alencar 

II. CHUVA DE IDEAIS EM TORNO DA TEMÁTICA: Olhar
Perguntar a assembleia o quem vem na sua mente quando se escuta palavras como: ver, olhar, olha, etc. O que o mundo, as mídias, o nosso imaginário mostram sobre isso. Eis algumas possíveis respostas:
1. Músicas
·         “Olhar 43” – RPM
·         Num golpe de olhar... “Renata” – Latino
·         Olha bem no fundo dos meus olhos... “De janeiro a janeiro” – Nando Reis
·         Olha pro céu meu amor... “Olha pro Céu” – Mastruz com Leite
·         Veja só você, depois de me perder... “Tarde demais” – Raça Negra
·         Ver teus olhos no espelho... “Olhos no Espelho” – Adriana Arydes
2. Diversos
·         Deus é o olho que tudo ver – Frase/adágio popular
·         Ficarei olhando até que você me entenda – Frase/adágio popular
·         Olha elaaaaa! – Ana Pula Ex-BBB
·         Os olhos são espelhos da alma – Frase/adágio popular
·         Pare, olhe e siga – Sinalização de trânsito.
·         Na bíblia a palavra “Olha” parece 53 vezes e o verbo “Olhar” 61 vezes – Bíblia Pastoral da Paulus. 
Música para exercitar o olhar: Pedir que os participantes fiquem em duplas de frente um para o outro e cante, gesticule e/ou medite uma das musicas a seguir:
a) “Te ofereço paz” – Grupo arte nascente
b) “De janeiro a Janeiro” – Roberta Campos com participação de Nando Reis

 III. DESENVOLVIMENTO DO TEMA: “Olha quem te olha”
1. Na história sempre se ouve, especialmente nossos pais dizendo frases como:
·         “Cuidado, porque Deus está vendo!”
·         “Deus vê e castiga”
·         “Esse é olho que tudo vê (mostrando a pirâmide com olho no centro), etc.
Porém estudando a Palavra descobrimos que o olhar de Deus para nós não é de um Deus castigador, mas um olhar de pai/mãe, amor, cuidado, carinho, misericórdia, ternura, etc.
2.Deus nos olhou primeiro, nos conheceu primeiro e nos amou primeiro, também nós somos convidados a fazer o mesmo: olhar, conhecer e amar a Deus.
3. Em Gn 1, 1s, vemos que Deus criou o firmamento, a terra, o céu, as águas, os peixes, os animais, as plantas, o universo... Ele criou, olhou para a sua criação e viu que tudo era bom.
Deus criou o homem (homem e mulher - Gn 1,27) a sua imagem e semelhança... Ele olhou para a sua obra prima e viu que era boa.
4. Podemos concluir assim que Deus os vê com bondade, como pessoas boas. E nós, como olhamos? Como vemos Deus?! Deus nos fez bons, porém eu tenho me preservado nessa bondade?
a) Como me apresento para Deus?
b) Que vida eu levo hoje?
c) Como as pessoas me veem?
d) Sou uma pessoa transparente ou vivo de máscaras?  
e) Deus me vê com amor e misericórdia, o outo me vê com as minhas máscaras, porém eu, como eu me vejo?

 
5. Não importa como o mundo nos vê. Deus o faz com misericórdia. Abramos a nossa bíblia e vejamos algumas passagens onde Jesus volta para nós o seu olhar amoroso. O olhar de Cristo é:
a) Olhar misericordioso – Vocação de Mateus (Mt 9, 9):
Jesus viu Mateus e o chamou, ele deixou tudo e seguiu o Mestre. Mateus, por ser cobrador de imposto, era visto, pelo povo da época, como pecador, pessoa ruim, de má fama. Jesus, porém não viu a aparência, mas a essência, Jesus viu o coração (I Sm 16, 7). Mateus viu misericórdia no olhar de Jesus e já não quis tira os seu olhar do Messias. (Esse é o lema episcopal do Papa Francisco: “miserando atque elegendo” escolhido pela misericórdia de Deus).
b) Olhar diferenciado – Visita a Zaqueu (Lc 19, 1s)
c) Olhar inclusivo – Mulher adúltera (Jo 8, 1s)
d) Olhar relacional – Jantar na casa de pecadores (Mc 2, 15s)
e) Olhar de perdão - Pai misericordioso (Lc 15, 11s) 

6. Jovem, “Olha quem te olha!” Não olha para o pecado, mas sim, olha para Deus!
Cantar o refrão:
“Olha Quem te olha
É Jesus que quer te conhecer, abre teu coração!
Olha Quem te olha e não permita que mais nada
Te faça sair dessa visão”

7. Deus está olhando para mim, para nós, mas, infelizmente, nós desviamos nosso olhar do sagrado. Para onde estamos olhando!? Para onde olha o jovem hoje?!
a) Escolhas egoístas, individualismo.
b) Emancipação desordenada – cada um que ser senhor de si, quando somos chamados a deixar Deus ser o Senhor de nossa vida.
c) Consumismo desembreado – colaborando ainda mais a destruição do planeta. Eis a preocupação do Papa Francisco escrevendo a Laudato Si 
d) Contra valores – Valorizando o mundano em detrimento do sagrado
e) Longe, as ilusões do mundo – esquecendo quem olha por nós, a nossa família, a nossa mãe. Voltemos um olhar para ele e estejamos com eles – os nossos familiares.  
f) Hedonismo – o prazer como estilo de vida
g) Pecados virtuais – games e pornografia
h) Apologia a desgraça dos outros – envio de vídeos que denigrem a dignidade das pessoas via watts app
i) Comunicação do isolamento das redes sociais – o mundo virtual se sobrepondo ao mundo real, as comunidades online sendo mais valorizadas que a comunidade paroquial, comunidade de vida.
j) Queima de etapas – criança quer ser jovem, jovem adulto, adulto criança.
l) Para o próprio umbigo – narcisismo
m) “Do contra” – gerando desintegração social e cultural 
n) Competição – quando somos chamados à cooperação e a solidariedade
o) Afetividade autônoma, prazer pessoal
p) Indiferença religiosa 
r) Informação, contrário de formação
s) Material (ter e poder), esquecendo-se do espiritual (ser)
t) Drogas
u) Ídolos e famosos – quando os verdadeiros modelos são Jesus, Maria e os Santos
v) Livros e textos de ficção, bruxaria e magias negras – quando devemos conhecer mais sobre a Palavra, textos edificantes e que trazem luz, harmonia e paz para o mundo
x) Vida alheia (Dizia um professor meu que a vida dos outros é sempre mais interessante) – quando olhamos demais para a vida alheia esquecemos de cuidar a nossa. Tiremos a trave de nosso olho! (Mt 7, 5)
z) Critico destrutivo - quando deveria ser construtivo e motivador, uma vez que o mundo já tem críticos demais devemos ser um motivador de pessoas.

Música de meditação: "Jovem te olho" – Adriana Arydes

8. A saída para tudo isso é um encontro pessoal com Jesus Cristo. Olhemos para Cristo presente no sacrário, olhemos para Cristo que está presente no irmão.
a) Esqueçamos de todos os “ISMOS”: egoísmo, pessimismo, individualismo, e potencializemos o “DADE”: comunidade, fraternidade, igualdade, etc.   
b) Olhemos para Cristo como ele nos olha. Esse olhar nos traz a verdadeira felicidade. O próprio Jesus Cristo disse que são feliz os que trazem esse olhar, os que praticam a misericórdia, porque alcançarão ainda mais misericórdia para esse mundo.
Ainda sobre a felicidade, a Palavra coloca, em Lc 11, 27s, que certo dia quando Jesus estava ensinando, uma mulher da multidão exclamou: “Bem-aventurada àquela que te deu à luz, e os seios que te amamentaram!” Ele, porém, afirmou: “Antes disso, mais felizes são todos aqueles que ouvem a Palavra de Deus e lhe obedecem”. Eis ai o segredo de uma vida feliz. Ser como Jesus não só no olhar, mas nas palavras e especialmente, nas obras, nas ações. 

9. O homem se faz por modelos, já que desde criança, agimos por imitação. O primeiro exemplo é Cristo, como temos visto desde o inicio dessa fala. Agora porém apresentaremos três outros modelos que souberam olhar como Ele nos olha.
a) Mariavia do testemunho. Maria soube olhar para Deus e colocar em prática seu projeto. Seu silêncio é um silencio que fala, porque ela fala por suas obras, por suas ações, por seus gestos. Assim como para o seu filho Jesus, hoje também ela olha por nós, pois Jesus nos a deu como mãe (Jo 19, 26-27). Peçamos esse olhar de Maria cantando:
Mae, olha por mim.
Acontece, às vezes nos sentimos sós,
E pensamos que ninguém olha por nos
E que somos como criança perdida
Mas esse, coração criança
Mesmo perdido
Busca força,
E com um grito
Chama por alguém
Que nunca vai deixa-lo assim
Chama mãe, vem olhar por mim.
É minha mãe,
Que consola meu coração
Que me guia pela mão
Que me ensina a caminhar
É minha mãe
Que faz o sol estremecer
Me dá Jesus me faz viver
Me faz ter fé
Me faz amar
Ensina-me a dizer sim
A dar tudo de mim
Molda-me a teu jeito
Me põe junto a teu peito
E me leva ao Salvador.

b) Santa Tereza D’Ávilavia da oração mental.
Santa Teresa de Jesus (*1515 +1582). Virgem e Doutora da Igreja. Natural de Espanha, foi uma freira carmelita, mística e santa católica do século XVI, importante por suas obras sobre a vida contemplativa através da oração mental e por sua atuação durante a Contra Reforma e sua colaboração para a Ordem Carmelita. Canonizada em 1622, pelo Papa Gregório XV. Sugere-nos olhar Aquele que nos olha por meio de exercícios espirituais: (Aplicar os exercícios a seguir com musicas instrumentais ao fundo)
i) Gn 1, 31 – Deus viu tudo o que tinha feito e era muito bom. Ao concluir sua obra Deus fez um passeio pelo jardim... Saiamos nós também a contemplar a criação, as coisas e as pessoas ao nosso redor, e a perceber a bondade em cada ser.
ii) Mc 10, 46-52 – A cura do cego Bartimeu. Como Bartimeu, clamemos a Jesus: “Cristo, tem de piedade de mim”, “Senhor, que eu veja!” Sinta Jesus se aproximando de você, sinta as mãos de Jesus sobre seus olhos, curando-os, tirando as traves para ver o mundo, o outro, a sua própria vida com um novo olhar.
iii) Mc 6, 34s – Jesus e a multidão. Jesus desceu da barca, viu a multidão e teve compaixão daquele povo, porque parecia como ovelha sem pastor. Imaginemo-nos como integrantes daquela multidão, para onde Jesus dirige seu olhar, deixe-se contemplar por Jesus, sinta-se uma daquelas ovelhas e aprenda com aquele olhar.

c) São Vicente de Paulo – Via da contemplação, pois Vicente era contemplativo na ação.
Vicente de Paulo (*1581 + 1660) Padroeiro das Obras de Caridade. Natural da França. Foi um sacerdote católico francês, fundador da Congregação da Missão, Filhas da Caridade e Damas da Caridade. Um dos grandes protagonistas da Reforma Católica na França do século XVII. Canonizado em 1737, pelo Papa Clemente XII. São Vicente nos sugere um olhar de caridade que se transforme ação em prol de cristo na pessoa dos pobres.
i) Lc 10, 25s – O Bom Samaritano. Na parábola nos é apresentado três olhares. O primeiro de um sacerdote (olhar de repúdio), o segundo de um levita (olhar de indiferença), o terceiro de um samaritano (olhar de compaixão). Os dois primeiros não se importaram com aquele homem, que foi atacoado por ladrões. Já o terceiro, o samaritano: viu, compadeceu-se, aproximou-se, limpou as feridas, colocou-o no transporte, levou-o a pensão, cuidou dele, encomendou que o dono da pensão também o fizesse e pagou as despesas!
ii) São Vicente direciona o olhar de Santa Luisa. Luisa de Marilac era uma mulher dócil ao amor de Deus e íntima de seu Santo Espírito. Teve inicialmente uma vida conturbada. Abalada pela morte da mãe, por viver sem os cuidados do pai, rejeitada no convento, morte do marido e por ter um filho bastante difícil sofria bastante e se olhava para Deus buscando forças. Vicente torna-se seu confessor e orienta-lhe que olhe para o pobre, faça algo em prol do outro, seguindo um tríplice princípio que também serve para nós:
“Amar a Deus com a força de nossos braços e o suor de nossa fronte;
ver Jesus Cristo no próximo, amando e servindo a Nosso Senhor em cada um, e cada um em Nosso Senhor; e
Não adiantar-se à Divina Providência, esperando com calma sua voz de mando".
iii) Ter uma grande intimidade com o Senhor - Ele lia todos os dias as Sagradas Escrituras e orientou seus coirmãos a fazer o mesmo: “Cada dia os padres e clérigos lerão um capítulo do Novo Testamento e respeitarão o livro como regra de perfeição cristã e para melhor aproveitamento o lerão ajoelhados, com a cabeça descoberta e no final da leitura farão os três atos seguintes:
Adorar as verdades contidas no capítulo,
Aplicar-se para ter os mesmos sentimentos com os quais Nosso Senhor os pronunciou, e
Esforçar-se para praticar os conselhos ou preceitos ali contidos.”
Foi na Palavra que São Vicente descobriu e pode aplicar na sua realidade esse olhar que incluía e dava dignidade aos desamparados. São Vicente de Paulo teve um olhar de compaixão e misericórdia, capaz de indignar-se frente a tudo aquilo que era desumano: “Como ser um cristão e ver seu irmão sofrendo sem chorar com ele? Sem ficar doente com ele? É não ter caridade, é ser cristão de fachada; é não ser humano, é ser pior que os animais”. O olhar de Vicente percebeu o Pobre na sua dimensão pessoal e social. Olhando ao seu redor, ele reconheceu a dor e o sofrimento dos Pobres e colocou todos os seus dons a serviço do povo sofredor, pois, para ele, o Pobre.

iv) Um olhar de caridade para com o próximo implica em:
·         Trazê-lo para junto de nós;
·         Acolher a pessoa em nossa vida;
·         Colocar-se no lugar do outro;
·         Entender a sua história;
·         Ocupar-se da situação do irmão;
·         Tomar conta dele;
·         Ajuda-lo a ser melhor;
·         Entender a dor e o sofrimento do outro;
·         Ver as múltiplas formas de pobreza que acometem o corpo, a mente e a alma de tantos irmãos espalhados pelas periferias de nossa sociedade;
·         Lutar para transformar as realidades, as estruturas de pobrezas;
·         Libertar-se de preconceitos que nos afastam dos excluídos;
·         Levar-nos ao encontro do Cristo agonizante na pessoa dos Pobres.
Música para meditação: “Olhar e caridade” – Identidade Nação  

10. Para concluir apresentamos colaborações de dois grandes bispos da Igreja que nos ensinam a bem direcionar nosso olhar: Papa Francisco (Bispo de Roma – Itália) e Dom Helder Câmara (Bispo de Olinda e Recife – Brasil).

a) Para o Papa Francisco, é nos sacramentos que devemos procurar Jesus:
“Deixemo-nos olhar pelo Senhor na oração, na Eucaristia, na Confissão, nos nossos irmãos, especialmente naqueles que se sentem postos de lado, que se sentem mais sozinhos. E aprendamos a olhar como Ele nos olha” – Homilia em Cuba em 21 set. 2015.

b) Dom Helder convida que mudemos o nosso olhar.
“Conta-se que, certa vez, Dom Helder Câmara celebrava a missa em uma pequena comunidade. No momento da comunhão quando os fiéis recebiam a Hóstia, na fila, colocou-se uma pessoa alcoolizada. Ela estava totalmente bêbada e quando se aproximou para receber a Eucaristia, Dom Helder, sem titubear, deu-lhe a comunhão naturalmente como tinha feito com as demais pessoas que estavam na fila. É claro que muitos ficaram indignados em presenciar tal comportamento. Uma das pessoas presentes, não se conteve e veio falar com Dom Helder depois da Missa. “Dom Helder,” – perguntou ela – “O Senhor não viu que aquela pessoa que foi receber a comunhão estava bêbada?”. E Dom Helder, olhando para ela, disse: “Sim, minha filha, eu vi que aquele homem estava bêbado. Eu só não vi as causas por que ele tinha bebido e estava bêbado”. (cf. Um Olhar de Caridade, Mizaél Donizetti Poggioli, p. 120-121).

Mudemos nosso olhar. Adotemos o olhar misericordioso de Jesus e olhemos como ele nos olha!

Obrigado!

Cleber Teodosio

Seminarista da Congregação da Missão 

Comentários